WhatsApp

(011) 97333-2909

Unidades em todo o Brasil

Resgate 24 horas

(011) 99006-4900

Clique aqui e faça sua ligação

WhatsApp

(011) 97333-2909

Unidades em todo o Brasil

Resgate 24 horas

(011) 99006-4900

Clique aqui e faça sua ligação

Mais De 2 Milhões De Brasileiros Têm Traços De Dependência Química

Pesquisas apontam que mais de 2 milhões de brasileiros têm traços de dependência química. Reflexo disso é que o Brasil está enfrentando um crescimento absurdo no consumo de drogas ilícitas e esse problema precisa de atenção. Para que o combate a esse consumo seja feito, é fundamental a implementação de políticas de proibição e incentivo ao tratamento para dependentes químicos.

A cocaína não foi a única droga que registrou aumento no consumo durante os últimos anos entre os brasileiros, a maconha também foi a droga mais consumida e que ganhou popularidade, visto que se tem facilidade de consegui-la. A dependência química é definida como um conjunto de fenômenos que podem envolver comportamento, a cognição e fisiologia corporal do indivíduo que está abusando de alguma substância psicoativa que busca sempre usá-la deixando de lado demais atividades do dia a dia. Há necessidade de elevadas quantidades da droga para se atingir o efeito desejado, obtendo um efeito menor de acordo com o uso continuado da mesma quantidade substancial.

O padrão para o uso de drogas é o de que tolerância, abstinência e comportamentos compulsivos, os sintomas da dependência são similares quando se trata das mais variadas substâncias variando na quantidade e gravidade entre uma ou outra droga. O que mais chama atenção são sintomas psíquicos e sociais decorrentes da dependência do fumo que são menores quando comparados aos do álcool. Os usuários de opioides e estimulantes podem desenvolver níveis gravíssimos de tolerância, pois pensam que necessitam de maior quantidade de droga depois de um determinado tempo. Como por exemplo, quando se usa maconha de forma exagerada não se tem consciência de que desenvolveram tolerância e aumentam o consumo cada vez mais. Por vezes o dependente pode expressar o desejo persistente de reduzir ou regular a utilização da droga, entretanto não pensa em deixar de vez de usar. E isso torna uma frustração diante do fracasso de tentar abandonar o vício, mesmo sabendo que faz mal.

Sabe-se que os dependentes químicos costumam ter um padrão de personalidade ao longo do tempo da dependência, existindo características comportamentais que afetam o relacionamento e sua percepção da realidade, como: dificuldade de enfrentar sentimentos, distorção da realidade, negação quanto ao seu problema, imaturidade e comportamentos infantis, depressão, intolerância a dor, angústia, carência afetiva, manipulação, episódios compulsivos, ações inadequadas e dificuldades de aceitar não. O traço de dependência química deve ter um bom diagnóstico devem ser realizados exames específicos e minuciosos, levando em conta a tolerância e sintomas próprios da abstinência que afetam principalmente o sistema nervoso central.

Portanto, muitas são as causas que levam a dependência química entre os indivíduos, como problemas no ambiente familiar, do trabalho em que o mesmo está inserido, distúrbios alimentares ou até mesmo de personalidade. É crucial acompanhamento com profissionais capacitados, principalmente de psiquiatras, psicólogos, assistentes sociais e médicos, havendo uma intervenção necessária e tratamento de boa qualidade para que o usuário possa ter uma vida normal e realizar suas atividades normalmente. Visando que se livre do vício e assim, possa alcançar o ideal de saúde física e mental ideal.